Vereadores Nego e Elias criticam atitude de alguns professores e presidente no Sindicato

VEREADOR ELIAS DA SAÚDE

O pronunciamento do vereador Elias Balbino teve como destaques os seguintes pontos:

  • Sugeriu ao treinador da equipe feminina procurar a setor da Ação Social da Prefeitura
  • Negou que o projeto prejudicou os professores e elencou benefícios alcançados como a equiparação, aumento das vagas para mestrado e doutorado, e aumento na gratificação de quem lida com crianças especiais
  • Falou dos altos salários de alguns professores que recebem e não estão em sala de aula
  • Criticou privilégios de alguns mostrando vencimentos publicados no SAGRES
  • Fez criticas ao presidente do SINDSPMI
  • Mostrou indignação com um professor que está denigrindo sua imagem informando para os alunos que os vereadores cortaram os salários dos professores e por isso não haverá mais festinha no dia das crianças
  • Informou que prestou queixa contra o presidente do sindicato
  • Criticou professora com várias capacitações que recebe sem está em sala de aula aqui em Ingá, mas dá aula em Riachão. E segundo a avaliação do vereador Elias, nesta situação de receber em casa sem trabalhar, há 18 professores recebendo em média perto de três mil reais, no que pediu providências ao prefeito quanto a esta situação.
  • Lembrou que os professores têm aumento todos os anos enquanto outras categorias estão há cinco anos sem aumento.
  • Sugeriu criar uma gratificação de acordo com a nota do IDEB do município que mostra a realidade da aprendizagem
  • Encaminhou a mesa diretora a relação dos professores que estão fora da sala de aula e seus vencimentos.
  • Sugeriu ao prefeito a criação de uma junta médica municipal para analisar os pedidos de afastamento com atestado médico.
  • Repeliu as agressões sofridas pelas redes sociais, as quais já estão anexadas no processo, e lembrou ainda que o burro vai se formar em medicina.
  • Finalizou reafirmando que o projeto não prejudicou os professores

AÍLTON NUNES (NEGO DOS TRANSPORTES)  

O pronunciamento do vereador Aílton Nunes teve como destaques os seguintes pontos abordados:

  • Falou que a citada “tribuna livre” pelo vereador Vinícius não existe no regimento da Câmara de Ingá.
  • Se solidarizou com o trabalho do servidor Quelé em orientar a mesa diretora e demais vereadores.
  • Repudiou o SINDSPMI e seu presidente que cobrou responsabilidade e que pague pelo menos o salário mínimo na escola particular de seus pais. Segundo o vereador, o presidente do sindicato teria chamado os vereadores de bandidos e terá de responder na justiça.
  • Afirmou que a prefeitura de Ingá paga mais do que o piso nacional.
  • Finalizou reafirmando que não houve corte salários dos professores, não vai haver; e que não é contra a classe dos professores.